• A memória e o guardião: Em comunicação com o presidente da República: Relação, influência, reciprocidade e conspiração no governo João Goulart

    Juremir Machado da Silva

    Civilização Brasileira

    Organizando as tramas de uma intrincada rede de interesses, Juremir Machado Da Silva reconstrói o complexo contexto do governo de João Goulart e descortina os bastidores do poder e da elite no Brasil.

    A memória e o guardião revela a correspondência do então presidente João Goulart, iniciada em 1961 e interrompida em 1964, quando, ao conclamar o país a reformas de base, foi deposto por um golpe midiático-civil-militar. Por quase quarenta anos, o guardião desse arquivo foi o oficial de gabinete Wamba Guimarães, que dois dias depois do golpe, a pedido de Jango, partiu com duas malas repletas de correspondências – e as manteve em segurança até sua morte, em 2003.

    Neste livro, Juremir Machado da Silva – vencedor do Prêmio Açorianos e APCA por Raízes do conservadorismo brasileiro – busca outros significados nas palavras de gentileza, conselho e rapapé ao presidente, reunidas em 927 itens, como cartas, telegramas, relatórios, informes, cartões de Natal, de aniversário, de Ano-Novo, entre outras congratulações. Organizando as tramas de uma intrincada rede de interesses, o autor reconstrói o complexo contexto do governo de João Goulart e descortina os bastidores do poder e da elite no Brasil.

    Suprapartidários e sem restrição de classes sociais, os documentos escritos por cidadãos comuns e autoridades brasileiras e internacionais mostram a política baseada no patrimonialismo, no cartorialismo e no coronelismo. O retrato de um Brasil infelizmente ainda atual.

    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 364
    Peso do arquivo 5.06MB
    Ano da publicação 2020

    Sinopse

    Organizando as tramas de uma intrincada rede de interesses, Juremir Machado Da Silva reconstrói o complexo contexto do governo de João Goulart e descortina os bastidores do poder e da elite no Brasil.

    A memória e o guardião revela a correspondência do então presidente João Goulart, iniciada em 1961 e interrompida em 1964, quando, ao conclamar o país a reformas de base, foi deposto por um golpe midiático-civil-militar. Por quase quarenta anos, o guardião desse arquivo foi o oficial de gabinete Wamba Guimarães, que dois dias depois do golpe, a pedido de Jango, partiu com duas malas repletas de correspondências – e as manteve em segurança até sua morte, em 2003.

    Neste livro, Juremir Machado da Silva – vencedor do Prêmio Açorianos e APCA por Raízes do conservadorismo brasileiro – busca outros significados nas palavras de gentileza, conselho e rapapé ao presidente, reunidas em 927 itens, como cartas, telegramas, relatórios, informes, cartões de Natal, de aniversário, de Ano-Novo, entre outras congratulações. Organizando as tramas de uma intrincada rede de interesses, o autor reconstrói o complexo contexto do governo de João Goulart e descortina os bastidores do poder e da elite no Brasil.

    Suprapartidários e sem restrição de classes sociais, os documentos escritos por cidadãos comuns e autoridades brasileiras e internacionais mostram a política baseada no patrimonialismo, no cartorialismo e no coronelismo. O retrato de um Brasil infelizmente ainda atual.

    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Juremir Machado da Silva
    • Tradutor(a)
    • Gênero História Moderna
    • Editora Civilização Brasileira
    • Páginas 364
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9788520014110
    • Peso do arquivo 5.06MB