• A sociedade autofágica: capitalismo, desmesura e autodestruição

    Anselm Jappe

    Editora Elefante

    O mito de Erisícton nos fala de um rei que se devorou porque nada satisfaria sua fome, punição divina por ultrajar a natureza. A partir dessa metáfora potente, Anselm Jappe analisa o que chama de "pulsão de morte do capitalismo": uma explosão de violência extrema gerada pela perda de sentido e pela negação dos limites, características de uma sociedade regida pela mercantilização. Para tanto, Jappe propõe retomar o diálogo com a tradição psicanalítica e desistir da ideia, forjada pela razão moderna, de que o sujeito é um indivíduo livre e autônomo; ao contrário, é fruto da internalização das restrições impostas pelo capitalismo e portador de uma combinação letal entre narcisismo e fetichismo da mercadoria. Neste contexto, "desenredar os infinitos fios da meada que leva os indivíduos a colaborar — em diversos graus — com o sistema que os oprime" seria a palavra de ordem para uma verdadeira "mutação antropológica", capaz de reinventar a felicidade, livre das categorias capitalistas.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 336
    Peso do arquivo 1.89MB
    Ano da publicação 2021
    Tradutor(a) Júlio Henriques

    Sinopse

    O mito de Erisícton nos fala de um rei que se devorou porque nada satisfaria sua fome, punição divina por ultrajar a natureza. A partir dessa metáfora potente, Anselm Jappe analisa o que chama de "pulsão de morte do capitalismo": uma explosão de violência extrema gerada pela perda de sentido e pela negação dos limites, características de uma sociedade regida pela mercantilização. Para tanto, Jappe propõe retomar o diálogo com a tradição psicanalítica e desistir da ideia, forjada pela razão moderna, de que o sujeito é um indivíduo livre e autônomo; ao contrário, é fruto da internalização das restrições impostas pelo capitalismo e portador de uma combinação letal entre narcisismo e fetichismo da mercadoria. Neste contexto, "desenredar os infinitos fios da meada que leva os indivíduos a colaborar — em diversos graus — com o sistema que os oprime" seria a palavra de ordem para uma verdadeira "mutação antropológica", capaz de reinventar a felicidade, livre das categorias capitalistas.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Anselm Jappe
    • Tradutor(a) Júlio Henriques
    • Gênero Filosofia e Ética
    • Editora Editora Elefante
    • Páginas 336
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786587235554
    • Peso do arquivo 1.89MB