• O artista improdutivo

    Laura Erber

    Editora Âyiné

    Foi Mário Pedrosa quem, despojando-se da grandiloquência de Victor Hugo, adaptou o pensamento do romântico francês sobre o poeta como um "eco sonoro" para definir o crítico como "uma espécie de grilo chato que não para, num canto da sala grande social, de dar sinal de sua presença". O renomado crítico brasileiro, cuja trajetória intelectual é contemplada no ensaio que abre esta coletânea, parece afinar de partida a voz contundente da própria Laura Erber nos doze textos que se seguem a este primeiro. Ora percorrendo biografias como a da galerista Ileana Sonnabend e de Tunga, ora em análises de obras de Rosana Paulino e Anna Bella Geiger, para citar dois exemplos, ora debruçando-se sobre temas mais abrangentes, tais como monumentos e pixações no espaço urbano e o uso de bandeiras em manifestações de rua e na arte contemporânea – valendo-se, então, de diferentes obras para conduzir suas investigações –, a escritora e artista visual observa atenta a relação entre arte e política, propondo pontos de vista que ampliam o entendimento de eventos recentes nas artes brasileiras. A criatividade como parte fundamental de uma nova etapa de domesticação do trabalhador é, enfim, um dos aspectos abordados no texto que encerra a edição e lhe dá título; nele, a autora passeia pelos temas do ócio, do produtivismo e da mercantilização do imaterial para articular o lugar do trabalho na sociedade, na arte e no mercado artístico contemporâneo – em que "é possível vender inclusive o tédio, a preguiça e o não fazer", escreve.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 189
    Peso do arquivo 6.31MB
    Ano da publicação 2021
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Foi Mário Pedrosa quem, despojando-se da grandiloquência de Victor Hugo, adaptou o pensamento do romântico francês sobre o poeta como um "eco sonoro" para definir o crítico como "uma espécie de grilo chato que não para, num canto da sala grande social, de dar sinal de sua presença". O renomado crítico brasileiro, cuja trajetória intelectual é contemplada no ensaio que abre esta coletânea, parece afinar de partida a voz contundente da própria Laura Erber nos doze textos que se seguem a este primeiro. Ora percorrendo biografias como a da galerista Ileana Sonnabend e de Tunga, ora em análises de obras de Rosana Paulino e Anna Bella Geiger, para citar dois exemplos, ora debruçando-se sobre temas mais abrangentes, tais como monumentos e pixações no espaço urbano e o uso de bandeiras em manifestações de rua e na arte contemporânea – valendo-se, então, de diferentes obras para conduzir suas investigações –, a escritora e artista visual observa atenta a relação entre arte e política, propondo pontos de vista que ampliam o entendimento de eventos recentes nas artes brasileiras. A criatividade como parte fundamental de uma nova etapa de domesticação do trabalhador é, enfim, um dos aspectos abordados no texto que encerra a edição e lhe dá título; nele, a autora passeia pelos temas do ócio, do produtivismo e da mercantilização do imaterial para articular o lugar do trabalho na sociedade, na arte e no mercado artístico contemporâneo – em que "é possível vender inclusive o tédio, a preguiça e o não fazer", escreve.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Laura Erber
    • Tradutor(a)
    • Gênero Teoria e Crítica de arte
    • Editora Editora Âyiné
    • Páginas 189
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586683806
    • Peso do arquivo 6.31MB