• O Oito: Paloma Franca Amorim

    Paloma Franca Amorim

    Alameda Casa Editorial

    Toda boa literatura é, de algum modo, o descortinamento de um segredo. Cada personagem é uma questão, e cada movimentação no tempo e no espaço imaginários, uma forma de percorrer possibilidades e abrir caminhos. No campo oposto à literatura, o mundo das letras, costuma-se colocar o mundo da álgebra, dos números. Mas, se há algo em comum entre letras e números, é essa possibilidade de fazer nascer uma linguagem que ao mesmo tempo propõe e resolve enigmas. Paloma Franca Amorim, neste seu primeiro romance pensado originalmente como tal (porque Eu preferia ter perdido um olho é, de certo modo, um romance construído pelo feliz amálgama de contos e crônicas), propõe, assim, desde o título, O Oito, um espaço a ser desvendado. O Oito é um bar de Belém, capital do Pará, que reúne uma juventude em transformação. Uma geração, registrada por Paloma, que se confronta com preconceitos e violências estruturalmente arraigados, com diferentes formas de produzir dor e injustiça. Esse bar, que de fato existiu e foi duramente atacado por uma elite tipicamente brasileira (vou aqui poupar o leitor dos adjetivos que gostaria de escrever), era um lugar de encontro de pessoas que buscavam construir uma cidade em que se pudesse respirar, uma cidade em que o ar é ainda mais quente e mais abafado como metáfora do que como realidade. Paloma não escreve sobre o oito numeral, mas eu não consigo deixar de pensar que, nesses tempos que vivemos, oito é também o número atômico do oxigênio. Haroldo Ceravolo Sereza
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 112
    Peso do arquivo 0.61MB
    Ano da publicação 2021

    Sinopse

    Toda boa literatura é, de algum modo, o descortinamento de um segredo. Cada personagem é uma questão, e cada movimentação no tempo e no espaço imaginários, uma forma de percorrer possibilidades e abrir caminhos. No campo oposto à literatura, o mundo das letras, costuma-se colocar o mundo da álgebra, dos números. Mas, se há algo em comum entre letras e números, é essa possibilidade de fazer nascer uma linguagem que ao mesmo tempo propõe e resolve enigmas. Paloma Franca Amorim, neste seu primeiro romance pensado originalmente como tal (porque Eu preferia ter perdido um olho é, de certo modo, um romance construído pelo feliz amálgama de contos e crônicas), propõe, assim, desde o título, O Oito, um espaço a ser desvendado. O Oito é um bar de Belém, capital do Pará, que reúne uma juventude em transformação. Uma geração, registrada por Paloma, que se confronta com preconceitos e violências estruturalmente arraigados, com diferentes formas de produzir dor e injustiça. Esse bar, que de fato existiu e foi duramente atacado por uma elite tipicamente brasileira (vou aqui poupar o leitor dos adjetivos que gostaria de escrever), era um lugar de encontro de pessoas que buscavam construir uma cidade em que se pudesse respirar, uma cidade em que o ar é ainda mais quente e mais abafado como metáfora do que como realidade. Paloma não escreve sobre o oito numeral, mas eu não consigo deixar de pensar que, nesses tempos que vivemos, oito é também o número atômico do oxigênio. Haroldo Ceravolo Sereza
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Paloma Franca Amorim
    • Tradutor(a)
    • Gênero Literatura Mundial
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 112
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786559660094
    • Peso do arquivo 0.61MB