• Sensibilidade, coquetismo e libertinagem: A Pamela inglesa, as Pamelas francesas e as mudanças éticas e estéticas do século XVIII

    André Luiz Barros da Silva

    Alameda Casa Editorial

    O romance Pamela, de Samuel Richardson (1740), inova ao misturar detalhismo na descrição das cenas cotidianas e dos sentimentos da protagonista. Pressionada pela perseguição empreendida por seu patrão, o poderoso magistrado Mr. B, num misto de opressão social explícita e fantasia erótica sub-reptícia, Pamela vira símbolo realista de uma ética hiper-idealista – paradoxo que só enriquece esse momento definidor de um novo contrato entre obra e leitor. Voltaire, Rosseau e Diderot respondem com obras próprias a tal abalo cultural. Outros autores, hoje desconhecidos – Boissy ou d'Aucour –, atuam como fomentadores do embate entre a sensibilité e a libertinage – entre a mímese que exige empatia e a do cinismo distanciado. Diderot será o teórico sutil do novo momento, em ensaios sobre o teatro ou mesmo em seus romances, como A Religiosa. Faz um hiperbólico (e brilhante) Elogio a Richardson com vistas a descrever o novo pacto de leitura no Ocidente. Se Marivaux cria uma personagem coquete que resiste à centralidade masculina e Voltaire se afasta do aristocratismo rumo ao enternecimento, Crébillon fils criará o tipo do libertino, deixando claro o tensionamento ético que se joga no tabuleiro do drama, do romance e da teoria da nova verossimilhança, a definir o campo estético da Europa do momento, entre França e Inglaterra, entre o antigo classicismo e a nascente modernidade estética.
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 397
    Peso do arquivo 0.85MB
    Ano da publicação 2020

    Sinopse

    O romance Pamela, de Samuel Richardson (1740), inova ao misturar detalhismo na descrição das cenas cotidianas e dos sentimentos da protagonista. Pressionada pela perseguição empreendida por seu patrão, o poderoso magistrado Mr. B, num misto de opressão social explícita e fantasia erótica sub-reptícia, Pamela vira símbolo realista de uma ética hiper-idealista – paradoxo que só enriquece esse momento definidor de um novo contrato entre obra e leitor. Voltaire, Rosseau e Diderot respondem com obras próprias a tal abalo cultural. Outros autores, hoje desconhecidos – Boissy ou d'Aucour –, atuam como fomentadores do embate entre a sensibilité e a libertinage – entre a mímese que exige empatia e a do cinismo distanciado. Diderot será o teórico sutil do novo momento, em ensaios sobre o teatro ou mesmo em seus romances, como A Religiosa. Faz um hiperbólico (e brilhante) Elogio a Richardson com vistas a descrever o novo pacto de leitura no Ocidente. Se Marivaux cria uma personagem coquete que resiste à centralidade masculina e Voltaire se afasta do aristocratismo rumo ao enternecimento, Crébillon fils criará o tipo do libertino, deixando claro o tensionamento ético que se joga no tabuleiro do drama, do romance e da teoria da nova verossimilhança, a definir o campo estético da Europa do momento, entre França e Inglaterra, entre o antigo classicismo e a nascente modernidade estética.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) André Luiz Barros da Silva
    • Tradutor(a)
    • Gênero Cartas
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 397
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586081718
    • Peso do arquivo 0.85MB